Senado aprova R$ 3,5 bilhões para melhorar acesso à internet em escolas públicas

Senado aprova R$ 3,5 bilhões para melhorar acesso à internet em escolas públicas
Compartilhe

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O Senado aprovou nesta terça-feira (23) projeto de lei que prevê o repasse de R$ 3,5 bilhões da União para estados e municípios para que apliquem em ações para melhorar o acesso à internet de alunos e professores do ensino público.

A proposta foi aprovada de maneira simbólica pelos senadores. Como já havia passado pela Câmara dos Deputados, o projeto de lei segue para a sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A proposta que veio da Câmara dos Deputados previa que os repasses deveriam ser feitos até 28 de fevereiro – próximo domingo.

O relator Alessandro Vieira (Cidadania-SE), no entanto, promoveu uma emenda de redação – que apenas altera o texto e não seu mérito- para ajustar a data limite, que passa a ser 30 dias após a sanção presidencial.

Os recursos serão repassados aos estados e municípios para ações que garantam o acesso à internet aos estudantes e aos professores das redes públicas de ensino, em razão da calamidade pública decorrente da Covid-19.

Segundo o texto, serão beneficiados pelas ações os alunos das redes públicas de ensino estaduais e municipais de famílias inscritas no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

O projeto também busca beneficiar os alunos matriculados nas escolas das comunidades indígenas e quilombolas, e os professores da educação básica das redes públicas de ensino estadual e municipal.

“A respeito do mérito educacional da iniciativa, merece ênfase o fato de a pandemia e as respectivas medidas de distanciamento social terem evidenciado mais um aspecto da perversidade de nossas desigualdades sociais, de modo específico atinente ao acesso à educação”. escreveu Vieira em seu relatório.

“Enquanto as escolas privadas de educação básica, principalmente de nível fundamental e médio, em grande parte voltadas para os estratos de maior renda, adaptaram se, de modo geral, com celeridade à situação provocada pela suspensão das aulas presenciais, no ensino público o que se viu foram esforços mais lentos e muitas vezes de menor sucesso na oferta de ensino remoto”, completa.

Os recursos que não forem aplicados até 31 de dezembro de 2021 ou que não seguirem a lei deverão ser restituídos pelos estados e municípios até 31 de março de 2022.

O dinheiro poderá ser usado para que os beneficiários possam contratar soluções de conectividade móvel para a realização e acompanhamento de atividades pedagógicas remotas, vinculadas aos conteúdos curriculares.

Alunos dos ensinos médio e fundamental e professores também de ensino médio e fundamental, nessa ordem, terão prioridade.

Metade dos R$ 3,5 bilhões deverá ser destinada à compra de tablets e equipamentos portáteis que possibilitem acesso a rede de dados móveis pelos beneficiários.

O projeto de lei também afirma que esses equipamentos poderão ser fornecidos aos professores e alunos, de maneira permanente ou temporária, mas desde que seja individual e intransferível.

Estados poderão contratar internet fixa para melhorar a conectividade em casas ou comunidades, mediante comprovação de custo-efetividade ou quando redes móveis não estiverem disponíveis na localidade de moradia dos estudantes.

Excepcionalmente, os estados poderão usar o dinheiro para contratar serviços de acesso à internet em banda larga para escolas, quando considerado essencial para a aprendizagem.

O texto também permite que empresas nacionais ou estrangeiras doem aparelhos portáteis de acesso a serviços de telefonia móvel. Essas doações poderão ser feitas por edital ou manifestação de interesse.

Segundo o projeto, as fontes de recursos para a transferência serão o Orçamento da União, o Fust (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações) e o saldo correspondente a metas não cumpridas dos planos gerais de universalização firmados entre o responsável pela concessão de serviços de telecomunicações e as telefônicas, além de outras.

Notícias ao Minuto Brasil – Brasil
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *