Venda de imóveis em Cuiabá tem maior índice dos últimos cinco anos | Mato Grosso

Venda de imóveis em Cuiabá tem maior índice dos últimos cinco anos | Mato Grosso
Compartilhe

Cuiabá registrou o melhor resultado em movimentação financeira no mercado imobiliário dos últimos cinco anos, mesmo em meio à pandemia da Covid-19. Foram aproximadamente R$ 3,2 bilhões em compra e venda de imóveis em 2020, de acordo com o levantamento feito pelo Sindicato da Habitação de Mato Grosso (Secovi). O resultado é o melhor desde o início da pesquisa, em 2015, quando foram movimentados 2,3 bilhões de reais.

2 de 5
Gráfico mostra evolução da comercialização imobiliária em Cuiabá — Foto: Secovi

Gráfico mostra evolução da comercialização imobiliária em Cuiabá — Foto: Secovi

No último trimestre de 2020, o mercado imobiliário registrou uma movimentação financeira de cerca de R$ 1,1 bilhão, um recorde se comparado com os anos anteriores.

O destaque ficou para os 737,5 milhões de reais em valores financiados junto às instituições financeiras, alta de 29,6% em relação a 2019 (R$ 518.9 milhões) e de 61,5% se comparado a 2015, quando somou 456,6 milhões de reais em financiamento.

Com relação ao número de unidades vendidas, foram 9.383 imóveis (novos e usados) comercializados no período, um aumento de 8,9% sobre 2019.

A região que mais registrou expansão foi a Leste, com 3.108 unidades, seguida da Oeste (2.795).A região Sul contabilizou 1.861 unidades comercializadas e a Norte teve 1.472.

3 de 5
Participação do aumento por região de Cuiabá — Foto: Secovi

Participação do aumento por região de Cuiabá — Foto: Secovi

A zona rural comercializou 147 unidades no período. O resultado atual somente é inferior ao primeiro ano de realização da pesquisa, quando foram comercializadas 10.411 unidades.

As área de expansão urbana, que são áreas que fazem parte do perímetro urbano, mas ainda não está dentro de um bairro específico, são as que tiveram maior movimentação imobiliária. São áreas que estão no limite urbano, ainda em expansão, como terrenos para condomínios ou loteamentos em regiões mais afastadas.

As áreas de expansão tiveram maior volume de vendas em três das quatro regiões das capitais. Veja na tabela os valores transacionados e as unidades vendidas por região (a tabela mostra as regiões com maior comercialização):

4 de 5
Tabela mostra regiões com mais venda de imóveis em Cuiabá em 2020 — Foto: Reprodução/Secovi

Tabela mostra regiões com mais venda de imóveis em Cuiabá em 2020 — Foto: Reprodução/Secovi

Para o presidente do Secovi, Marco Pessoz, as mudanças no mercado, como a taxa de juros atingindo os menores índices da história, contribuíram para o bom desempenho dos indicadores atuais.

“O mercado imobiliário vinha sofrendo uma retração desde 2016. Com isso, houve uma grande redução de novos lançamentos. Somado a esse fator, o aumento nas taxas de juros e as dificuldades enfrentadas nos financiamentos reduziram a confiança do consumidor”, explica.

Segundo Pessoz, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do estado, a queda na taxa de juros, sendo a menor registrada na história, e a baixa taxa Selic impulsionaram o mercado e contribuíram para o processo de retomada imobiliária.

“O consumidor enxergou essa oportunidade e decidiu investir. Antes, as pessoas não compravam porque não queriam, mas porque não tinham condições. Agora, com a queda da taxa Selic, o que refletiu na queda da taxa de juros de financiamento, houve um impulsionamento”, diz.

Pessoz explica que, com a pandemia, os três primeiros meses de 2020 foram mais difíceis. No entanto, os meses seguinte registraram melhores resultados.

“O momento vivido na pandemia influenciou a mudança de comportamento social. Se antes, a maioria escolhia um imóvel centralizado por questões de trânsito e localização do trabalho, escolas e outras atividades, muitos começaram a procurar terrenos, loteamentos em condomínios fechados, e passaram a priorizar uma maior qualidade de vida.

Os dados mostram que entre os imóveis usados, o número de vendas aumentou nas unidades horizontais (casas e condomínios) e diminuiu nos verticais (edifícios). Já entre os imóveis novos, houve aumento nos dois tipos. Veja a tabela:

5 de 5
Tabela mostra vendas por tipo de imóveis — Foto: Secovi

Tabela mostra vendas por tipo de imóveis — Foto: Secovi

O sindicato prevê que o mercado continue em alta neste ano.

“A expectativa é que o andamento das reformas essenciais administrativa e tributária deve alavancar ainda mais a economia. A retomada econômica pós-pandemia e uma maior produtividade do mato-grossense pode influenciar nesse mercado imobiliário também em 2021”, disse Pessoz.

O estudo de evolução do mercado imobiliário conta com o apoio da Fecomércio-MT e é realizado desde 2015 pelo Secovi-MT em uma parceria com a Secretaria de Fazenda do município de Cuiabá, com fonte dos dados do ITBI municipal.

O Noroeste
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *