Redes sociais acusadas de radicalizar utilizadores

Redes sociais acusadas de radicalizar utilizadores
Compartilhe

A invasão ao Capitólio do dia 6 de de janeiro fez com que empresas tecnológicas como o Facebook e o Twitter banissem o então Presidente Donald Trump das respectivas plataformas. O incitamento ao ódio foi um dos argumentos apontados por estas empresas mas, aparentemente, os democratas dos EUA não acham que Trump tenha sido o único culpado pelo incidente.

Como conta o Business Insider, alguns elementos da ala democrata dos EUA enviaram uma carta aos CEOs do Facebook, Google e Twitter a acusálos de radicalizar os utilizadores destas plataformas. “Na quarta-feira, dia 6 de janeiro, o Capitólio dos EUA foi atacado por uma insurreição de uma multidão violenta e radicalizada, em parte devido à ressonância digital que as vossas empresas criaram, construíram e mantiveram”, pode ler-se nesta carta.

Os representantes democratas acusaram ainda estas plataformas de não fazerem o suficiente para combater movimentos extremistas, indicando que a moderação que é feita atualmente não serve para lidar com o problema.

Leia Também: Game põe Deus no controle; veja como Jesus foi parar em jogo que simula milagres

Notícias ao Minuto Brasil – TechRead More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *