Incríveis obras em domínio público em 2021 – 24/01/2021 – Ronaldo Lemos

Incríveis obras em domínio público em 2021 – 24/01/2021 – Ronaldo Lemos
Compartilhe

Todo 1º de janeiro é dia de festa do ponto de vista do domínio público. Essa é a data em que obras que tiveram o prazo de proteção do direito encerrado são finalmente promovidas ao domínio público.

A turma de 2021 é uma das mais incríveis em muitos anos.

Antes de dizer quais são, vale lembrar que tem gente que gosta de dizer que a obra “cai” em domínio público. Prefiro dizer que ela é promovida, uma vez que a partir daí ela ganha um status especial: pode ser utilizada e publicada por qualquer pessoa, sem a necessidade de pedir autorização.

Em outras palavras, torna-se um bem cultural de toda a humanidade.

No Brasil o prazo de proteção de direitos autorais é de 70 anos a partir da morte do autor. Já nos Estados Unidos o prazo de proteção de obras de titularidade de empresas era de 75 anos. No entanto, em 1998 foi aprovada uma lei que estendeu esse prazo para 95 anos.

A razão é que a primeira versão do Mickey Mouse estava prestes a virar domínio público. Em razão disso, um lobby fortíssimo atuou no Congresso dos EUA, e a lei acabou sendo apelidada de “Lei de Proteção ao Mickey Mouse”.

O problema é que a lei atrasou não só o ratinho mas também um conjunto extraordinário de obras que só agora, depois de um longo hiato de 20 anos (que terminou em 2019), voltaram a ingressar no domínio público.

A coleção de obras deste ano de 2021 é forte. Ela inclui todas as obras publicadas em 1925. Por exemplo, “O Grande Gatsby” de F. Scott Fitzgerald, cuja última frase não poderia ser mais apropriada para celebrar este momento: “E assim prosseguimos, barcos contra a corrente, arrastados incessantemente para o passado”.

Outro livro em domínio público é “Mrs. Dalloway”, clássico de Virginia Wolf. Ou ainda “O Processo”, de Franz Kafka, e a coleção de contos de Ernest Hemingway “Em Nosso Tempo”.

Já dos europeus, a lista inclui George Orwell e George Bernard Shaw.

Na música há obras de tirar o fôlego. Por exemplo, interpretações de Ma Rainey, considerada a mãe do blues. Para saber mais sobre ela, vale ver o filme lançado em dezembro pela Netflix com a atriz Viola Davis interpretando Ma Rainey.

Tem também Duke Ellington, Fats Weller, Sidney Bechet e Irving Berlin com obras promovidas ao domínio público.

No cinema, os filmes “O Vaqueiro”, de Buster Keaton, e “O Calouro”, de Harold Lloyd.

De novo, essas obras deveriam ter ingressado no domínio público há 20 anos, não fosse a mudança na lei americana. Essa experiência demonstra claramente que não faz nenhum sentido prorrogar o prazo de proteção de bens intelectuais que já foram criados.

Primeiro porque nenhum autor já falecido vai criar novamente. E, no mundo de hoje, o ciclo de vida econômica da maioria das obras não chega a cinco anos.

Por fim, essa é apenas a superfície. A maioria absoluta das obras de 1925 está fora de catálogo, perdida ou desconhecida. O domínio público é um incentivo gigantesco para que pesquisadores e editores possam recuperar esses trabalhos e trazê-los de volta ao acesso universal.


Reader

Já era Período de 20 anos em que os EUA ficaram sem novas obras no domínio público

Já é Ingresso das obras de Monteiro Lobato no domínio público, ocorrido em 2019

Já vem Ingresso do Mickey Mouse no domínio público previsto para 2024 (ou outra extensão do prazo?)


LINK PRESENTE: Gostou desta coluna? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Source link

O Noroeste
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *