Polícia Civil investiga fraude de R$ 70 milhões em planos de saúde no DF e em 3 estados | Distrito Federal

Polícia Civil investiga fraude de R$ 70 milhões em planos de saúde no DF e em 3 estados | Distrito Federal
Compartilhe

A Polícia Civil deflagrou, nesta quarta-feira (20), operação para coibir fraudes contra planos de saúde praticadas no Distrito Federal e em outras três unidades da federação (veja lista abaixo). A suspeita é de que o esquema tenha movimentado cerca de R$ 70 milhões. Ao todo, os policiais cumpriram 15 mandados de busca e apreensão em:

  • Águas Claras
  • Setor de Indústrias e Abastecimento (SIA)
  • Gama
  • Guará
  • Riacho Fundo
  • Luziânia (GO)
  • Rio Verde (GO)
  • Cárceres (MT)
  • Mirassol D´Oeste (MT)
  • Porto Velho (RO)

De acordo com a Coordenação de Repressão a Crimes contra o Consumidor, Propriedade Imaterial e Fraudes (Corf), o grupo praticava crimes como falsidade ideológica, falsificação de documentos, apropriação indébita, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Gestores de operadora de plano de saúde e cinco empresas privadas estariam envolvidas no esquema.

  • Operação mira esquema de fraude para reduzir custos de planos de saúde; quadrilha atuava no DF e RJ
  • Servidores denunciam tentativa de fraude envolvendo plano de saúde do governo do DF

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) – órgão responsável por fiscalizar planos de saúde – identificou a prática criminosa e acionou os investigadores. De acordo com a Polícia Civil, entre 2013 e 2018, diretores, contadores e funcionários de uma operadora do benefício desviavam valores milionários de contas bancárias de planos de saúde.

As quantias eram repassadas a empresas vinculadas a amigos e familiares dos dirigentes. As transações, segundo a polícia, eram feitas sem contratos formais e emissões de notas fiscais, “que dessem suporte às transações, que justificassem eventuais serviços prestados ou produtos adquiridos”.

Em 2019, operação no DF desarticulou quadrilha que aplicava golpes em quem tem plano de saúde

Os investigadores analisaram 380 mil movimentações bancárias e fiscais da operadora de plano de saúde, de empresas e pessoas envolvidas. Segundo a Polícia Civil, houve divergência na documentação contábil dos envolvidos, além de transações incompatíveis com o faturamento.

2 de 2
Operação investiga fraudes contra concursos públicos no DF e em 3 estados — Foto: PCDF/Divulgação

Operação investiga fraudes contra concursos públicos no DF e em 3 estados — Foto: PCDF/Divulgação

Por exemplo, há transações financeiras de quase R$ 3 milhões feitas para microempresas destinadas a prestação de serviços de chaveiro. Além disso, os suspeitos ainda teriam feito trâmites financeiros com empresas do ramo agropecuário e da cana de açúcar, sem qualquer vínculo com a atividade desenvolvida pela operadora de plano de saúde.

A operadora do plano de saúde investigada atua no Centro-Oeste e em Tocantins. Ao todo, há 55 mil associados. A corporação informou que 150 policiais participaram da ação, que contou com apoio das polícias civis de Goiás, Mato Grosso e Rondônia. A operação foi batizada de “Loki” o pai da mentira na mitologia nórdica.

Penas para os crimes praticados:

  • Falsidade ideológica: prisão de um a cinco anos
  • Falsificação de documentos: reclusão de um a cinco anos
  • Apropriação indébita: reclusão de um a quatro anos
  • Lavagem de dinheiro: reclusão de três dez anos
  • Organização criminosa: reclusão de três a oito anos

VÍDEOS: veja os destaques do G1 em 1 Minuto DF

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

O Noroeste
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *